Transtornos Alimentares: o que você pode fazer pra ajudar?

Florianópolis

Transtornos Alimentares: o que você pode fazer pra ajudar?

No dia 2 de junho foi o Dia Mundial de Conscientização dos Transtornos Alimentares. E como todas as doenças psiquiátricas, o transtorno alimentar tem muitos estigmas. É comum que as pessoas pensem que ele acomete apenas adolescentes de classe média alta, que só está presente em pessoas muito magras, que é por falta de força de vontade ou vontade de chamar atenção e que é só uma fase. Por isso, a Associação Brasileira de Transtorno Alimentar, em parceria com a Academy for Eating Disorder, desenvolveu uma ação para falar sobre nove verdades sobre os transtornos alimentares:

1- Muitas pessoas com transtornos alimentares parecem saudáveis, ainda que estejam extremamente doentes;

2- Famílias não são as culpadas, e podem ser as melhores aliadas no tratamento;

3- Transtornos alimentares causam perturbações nas relações pessoais e familiares;

4- Ter transtorno alimentar não é uma escolha, é uma grave doença mental com influencia biológica;

5- Transtornos alimentares afetam pessoas independentemente de idade, gênero, etnia, peso corporal, orientação sexual, ou nível socioeconômico;

6- Ter um transtorno alimentar aumenta a chance de suicídio e de complicações médicas;

7- Genes e ambiente influenciam o desenvolvimento dos transtornos alimentares;

8- A genética, por si só, não determina quem vai desenvolver transtorno;

9- A recuperação total é possível. O tratamento precoce e a prevenção são muito importantes.

O transtorno alimentar tem diversas causas, mas devemos sempre ter cuidado com o que falamos para os outros, pois não sabemos que impacto um simples comentário ou elogio terá na pessoa que está recebendo-o. Aqui vão algumas dicas para que você não estimule comportamentos alimentares transtornados em outras pessoas:

  • Não comente sobre o corpo do outro. Seja ele gordo ou magro. Mesmo que você tenha a intenção de elogiar. Isso faz com que a pessoa acredite que as pessoas só veem valor nela se ela for magra;
  • Não comente sobre o que ou como o outro come. Isso pode levar a pessoa a acreditar que está comendo de forma exagerada, e pode ser um gatilho para comportamentos transtornados, independente se a pessoa tem transtorno alimentar ou não;
  • Se você conhece alguém que tem transtorno alimentar, não faça comentários sobre a aparência dessa pessoa, mesmo que seja um elogio. Esses comentários são extremamente difíceis para essas pessoas lidarem. Se quiser elogiar, utilize elogios em relação a competência, inteligência, dedicação, e não a características físicas;
  • Se você observar comportamentos transtornados em alguém, tenha empatia e acolhimento e ajude essa pessoa a buscar ajuda profissional especializada!

 

Se você tiver alguma dúvida em relação ao tema, entre em contato com a nossa nutricionista Amanda Brognoli Donini para que ela possa te auxiliar. Telefone: (48) 99115-5085.

 

Referencia: http://www.astralbr.org/2018/05/28/dia-mundial-de-alerta-para-os-transtornos-alimentares/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *